quarta-feira, 16 de março de 2016

#PrimeiroBabaca

Procrastinei o quanto pude e até pensei em não fazer esse post, já que ele daria trabalho, provavelmente seria longo e traria de volta lembranças que eu particularmente prefiro esquecer.

Só que daí lembrei da importância que ele teria ao se juntar a outros tantos gritos femininos sobre como os homens ainda são uns belos de uns FILHOS DA PUTA.

Ah, por favor, eu não quis ofender as prostitutas ali, é só pelo peso do termo e quão belo ele é como xingamento.

E, sim, eu generalizei os homens.
Mas existe um motivo especial sobre isso: sua criação.

Os homens nascem inocentes, bebês adoráveis e altamente mordíveis. Eles não têm culpa de nada durante o tempo em que não compreendem o que acontece à sua volta. São crianças pequenas e fofas.

E os homens, ou melhor, os meninos realmente não têm culpa. Os pobres não nasceram com um programa instalado no cérebro ensinando comportamentos ruins.

O problema começa pelos pais e reforço que isso é sobre ambos os sexos.
O filho, homem, foi ensinado por seu pai, que foi ensinado por seu avô e todas as gerações anteriores, o comportamento machista de que:
-Homem que chora é frouxo;
-Homem que recua é covarde;
-Homem que não "age" como homem é viado.

E esses são apenas TRÊS exemplos do machismo.

"Mimimi lá vem a feminista" - Ah, não fique chateado, eu só penso que o meu corpo é meu e a decisão sobre como usá-lo é minha. Se isso é ser feminista, bem, estamos todos na merda, não? Porque sou feminista até a podridão da alma.

Seria legal se apenas os homens fossem machistas, poderíamos ateá-los ao fogo como se isso realmente resolvesse algum problema no mundo.

A brincadeira fica mais divertida quando chegamos nas mães dos bebês, as mulheres machistas.

O quê?! Você não sabia que mulher também poderia ser machista? Pois é, o mundo hoje em dia é tão cheio de opções e gostos que, TCHARÃS, mulheres machistas!

Não seja tolo, leitor.
O machismo é uma faca de dois gumes: corta os homens e corta as mulheres.

Uma mãe machista para um filho:
-Quantas namoradinhas já? Não se prenda só em uma! Namore várias!
-Olha lá, hein? Não quero ser avó tão cedo!
-O coleguinha te bateu e você não revidou? Não criei filho meu para ser mariquinha!

Uma mãe machista para uma filha:
-Você precisa se preservar. Homem não gosta de mulher "rodada".
-Isso é comportamento de menino! Seja mais educada e delicada!
-Que roupa é essa? Vá se trocar agora mesmo! Não quero minha filha vestida como uma prostituta!

Às vezes eu me pergunto: será que a linha que nos torna "heterossexuais" ou "homens de verdade" e "mulheres de verdade" é definido por essas restrições, regras, de gênero?

E não entendam mal a pergunta acima, eu não quis dizer que homossexuais, transexuais e outros não são "homens de verdade" e "mulheres de verdade". Digo pela definição dada pela sociedade.
Uma das últimas coisas que eu quero nesse texto é ser escrota com as pessoas erradas.

"As crianças nascem puras e a sociedade as corrompe".
É mais ou menos isso que o iluminista Jean-Jacques Rousseau disse e que está em um dos meus livros de História, aliás, milagre eu lembrar de alguma coisa da escola, um dos períodos "Idade das Trevas" na minha vida.

A partir do momento que o menino absorve os ensinamentos errados, cresce e como adulto não consegue perceber que seu comportamento não condiz mais com o século em que está, ele pode ser considerado totalmente culpado.

E, claro, FILHO DA PUTA, como bem dito no começo do texto.

Veja só, leitor, dentro desses culpados ainda temos uma parcela de ignorantes, aqueles que não sabem que estão fazendo mal, pois acreditam piamente que "esse é o jeito certo". E eu não digo de modo jocoso ou cruel, realmente existem homens que não levam na maldade e quando confrontados com a realidade da situação às vezes até ficam envergonhados e começam a repensar seus comportamentos.

Esses ainda podem ser salvos.

O problema mesmo são os homens que propagam conscientemente o comportamento errado e, infelizmente em vários casos, sentem prazer nisso.

Ah, e caso o leitor não saiba direito o que raios é feminismo e tem a ideia provavelmente errada de que "É O NOSSO PLANO PERFEITO DA ERRADICAÇÃO DOS HOMENS DA FACE DA TERRA", por favor, leia o meu post sobre Feminismo: Chá de Pimenta.

Sou hétero, jamais que ia querer o fim dos homens.
De alguns talvez... hehe

#PrimeiroAssédio
Segundo esse link que encontrei do El País, a hashtag usada principalmente no Twitter começou por conta de comentários pedófilos a uma participante do MarterChef Júnior (Band) em 2015.

É nesse momento que eu olho para o post, suspiro e peço a qualquer divindade mais próxima que me ilumine para ser razoável. E é preciso mesmo toda a ajuda do mundo para falar sobre assédio, porque é um tema que traz péssimas lembranças e um tiquinho assim de ódio capaz de estourar uma bomba de hidrogênio em todos os cantos do planeta para ver a humanidade ser dizimada.

E não pense, leitor, que o assédio é um "privilégio" feminino, ele também acontece com pessoas do sexo masculino.

Eu não cheguei a ler todos os relatos do texto do El País e tampouco os do próprio Twitter, uma vez que, eu já tenho uma cota relativa de ódio sobre o assunto e não quero tornar este lugar em um poço de confissões de crimes imaginários e jamais cometidos.

Seria maravilhoso se eu não tivesse passado por nenhum tipo de assédio, contudo, nascer mulher parece ser um ótimo motivo para infelizmente ter o que contar aqui.

Quando sentei para escrever este texto, procurei na minha memória carcomida pelos problemas e fiquei apavorada com a quantidade de assédio que eu, uma mulher que não é nem de longe atraente, passei.

O que preferem que eu conte?
Os da infância ou os da adolescência?

Na infância ninguém nunca passou a mão em mim, pois eu era de dar escândalo. Contudo, já pediram para eu desenhar mulheres peladas (isso com seis a sete anos) e um entregador de gás chegou a dizer que eu era gostosinha (com dez anos).

Na adolescência o caso mais grave foi durante uma aula vaga no 1º ano do Ensino Médio. Quatro colegas de classe me seguraram para que um quinto me beijasse.

Como eu sou agraciada pelos deuses e fiz karatê na infância consegui me desvencilhar dos quatro idiotas e sair da classe. Cheguei a reportar a situação para um professor (que daria aula em seguida) e à diretoria.

Adivinha o que aconteceu? Nada, é claro!

Se você pensa que essa é só uma "brincadeirinha", eu gostaria de dizer ao querido leitor que: a boca é minha. Eu beijo quem eu quero, quando eu quero e se eu quero.

Não depende da vontade dos outros o que eu faço ou deixo de fazer com o meu corpo. E beijo, para mim, não é algo que eu distribuo como panfleto de rua. Quem quiser fazer isso, fique à vontade, a boca dos outros não é da minha conta.

E se essa "brincadeirinha inocente" de dar beijinho em coleguinha asqueroso depois passasse para "vamos tirar a virgindade dela"?

Não se engane, leitor. Isso pode até não ter acontecido comigo, mas a quantidade de estupros coletivos no nosso país e mundo afora é existente e numérica.

Todo dia eu agradeço por não ter mais que ir à escola, me livrei dessa desgraça há uma década e não sinto falta de ninguém.

E nunca pensem que a culpa é sua.
A mente deturpada é dos agressores e de quem acha isso apenas uma "brincadeirinha".

Sorte, muita sorte dos meus colegas que eu sempre tive mais juízo do que gostaria. Não foi assédio sexual que causou o Massacre de Realengo (RJ), foi o bullying, ainda assim, olhe a quantidade de pessoas vingativas desejando sangue e de mortos e feridos.

Aos pobres coitados que me seguraram e ao pobrezinho que queria me beijar, eu só desejo uma coisa: boa sorte, vão precisar. Porque o mundo é redondinho e o destino sempre dá um jeito de nos chutar a bunda por situações passadas.

O Dia Internacional da Mulher (8 de Março) já passou e é uma pena que ele precise existir. É igual ao Dia da Consciência Negra (20 de Novembro). Não seria necessário se nós tivéssemos respeito pelas pessoas.

Descontrole peniano
Quem nunca ouviu a célebre frase: "Eu sou homem, não consigo me controlar".
É ou não é o conjunto de palavras mais divertido do mundo? Claro que sim!
A impressão que dá é que os homens não têm controle sobre as partes de seus corpos, entre elas o pênis.

"Ah, Kimono, por favor, aquilo levanta sozinho quando está excitado" - Sim, sim, as aulas de Biologia servem para explicar um desses fantásticos fenômenos que acontecem com o corpo humano.

A questão é: não é porque seu pinto está duro que você precisa correr para meter ou esfregar em alguém.

Os homens são criados como animais, essa é bem a verdade.
É permitido a eles se comportarem como criaturas que não conseguem controlar seus impulsos mais primitivos, enquanto as mulheres são colocadas em jaulas e adestradas para servirem bem.

Ah, queridos, não pensem que TODAS NÓS somos santinhas. Tem uma coisa incrível sobre as mulheres que nem todos parecem saber: temos libido.
Não, não estou falando daquela "facinha" da balada, estou falando de gente que pode até parecer quieta, mas que bota a mente para funcionar de um jeito bem sensual.

Claro, por fatores biológicos é mais difícil alguém perceber que uma mulher está excitada se ela não fizer caras e bocas.
Isso quando essas pobres coitadas precisam fingir orgasmos para deixar o parceiro se sentindo O CARA.

É engraçado como os homens são frágeis.
Qualquer coisa pode destruir sua "moral"? Pode.

Há uma cobrança velada a eles.
Devem satisfazer a mulher (quando na verdade satisfazem seu próprio ego em vários casos), precisam ser os mais viris, fortes, protetores, isso e aquilo.

Nem todo mundo tem vocação para ser o bam-bam-bam, no entanto, lá está a sociedade e a família botando pressão.

Pode parecer piada, só que nem todos os homens nasceram com essa configuração de fábrica. Alguns são mais tímidos, outros mais relaxados, uma parcela mais insegura... E por conta dessa pressão escrota eles acabam por fingir ser uma coisa que não são e que os impede de mostrar o seu verdadeiro eu, sua identidade, para o mundo.

Seríamos todos mais felizes sem essas cobranças absurdas.

Agora viremos a página.
Vamos voltar a falar de "descontrole peniano".

Mulher usar roupa "provocante" não é motivo para estupro.
Mulher estar tão bêbada que nem para em pé também não é motivo para estupro.

Nenhum comportamento feminino é motivo para assédio e estupro, que isso fique bem claro.

Nós somos humanos.
Sim, isso inclui os homens.
Então se não somos animais desprovidos de moral e inteligência, por que em pleno século XXI, ano de 2016, os homens ainda usam a desculpa do descontrole peniano ou de "a mulher que provocou"?

Porque a sociedade permite que absurdos como esses continuem servindo de argumento.

Poxa, imaginem só se as mulheres enlouquecessem e andassem com um facão naquelas bolsas gigantes? Imaginem se os caras as assediassem ou tentassem estuprá-las e elas cortassem o pênis deles?

"Minha cara blogueira, isso é violência, é crime" - Hum... Verdade, né? Puxa vida, eu não tinha percebido! Assédio não é crime, estupro também não.
Está certo. SÓ A MULHER COMETE CRIME. Verdade verdadeira com veracidade.

Obviamente o blog e sequer a blogueira estimulam esse tipo de comportamento, porém, perceba a asneira, a proteção dos homens.

Sabem em que ano estamos? Que bom.
Agora pense que ATÉ HOJE, ATÉ ESSE MÍSERO DIA E OS PRÓXIMOS, ainda existirão mulheres sendo estupradas por conhecidos e desconhecidos, e não irão até a polícia fazer um B.O..

Medo, vergonha e a sensação patética de que a culpa é da vítima, nunca do agressor.

Para quem quiser saber mais sobre o assunto, eu recomendo o livro "Jovens mulheres vitimadas - Abuso sexual, sofrimento e resiliência" de Rosimeire de Carvalho Martins da Juruá Editora (Juruá Psicologia).

Eu comprei em uma das bienais do livro aqui em São Paulo por conta do meu outro ofício, o de escritora. É um livro técnico, afinal, não se trata infelizmente de uma ficção. A edição que eu tenho aqui é de 2010.

A ideia de que apenas "mulheres perdidas" são estupradas, me fascina. Como se "moças direitas" também não aumentassem a cobiça dos homens, ainda mais se forem virgens.

Aí, leitor, eu tenho que ver um Presidente da Câmara dos Deputados querendo dificultar a queixa-crime da vítima de estupro, fazendo com que ela PROVE que foi estuprada.

Eu devo merecer viver nesse país, porque, olha, se fosse piada ainda não seria engraçado.

"Ah, mas ele está certo! Tantos homens são acusados injustamente..." - A parcela dos realmente inocentes é pequena. E nem todo estupro deixa marcas visíveis. Se a pessoa te apalpar, que exame de delito vai comprovar? Se usar os dedos, que exame de delito vai comprovar?

Apesar de não gostar muito daquela novela das sete da Globo, Totalmente Demais trata do tema de assédio. Se a personagem de Eliza (Marina Ruy Barbosa) não tivesse nocauteado o padrasto Dino (Paulo Rocha) no começo da história e fugido, ele provavelmente teria a estuprado.

Sempre começa no início da adolescência, com aqueles olhares meio estranhos, depois passa para uma perseguição silenciosa, seja no quarto ou no banheiro.

E a mãe dela, Gilda (Leona Cavalli) notava e não fazia nada.

Há vários fatores para que as mães deixem as coisas acontecerem. Falta de instrução, dependência financeira e/ou afetiva, medo de ficar sozinha, descrença nas palavras da filha.

Essa é uma das poucas coisas boas dessa novela. A abordagem desse tema delicado, mostrando a realidade como ela é.
Às vezes as mães chegam a culpar as filhas pelo estupro, ou seja, quem deveria protegê-las (a família) ajuda a reforçar a "culpa" que não é da vítima. Esse é um dos dados citados pelo livro de Rosimeire de Carvalho Martins.

O que agrava, quando a família dá suporte, é chegar na delegacia para prestar queixa. Não é em todos lugares que existe a Delegacia da Mulher e, pesarosamente, nem sempre o delegado (e sua equipe) é compreensivo ou desprovido do patético preconceito dos "homens das cavernas transvestidos de homens contemporâneos".

Poucas pessoas que nunca sofreram esse tipo de violência sabem o que se passa na cabeça das vítimas depois do ocorrido. Elas precisam de um acompanhamento médico e psicológico, e muito apoio e carinho.

"Ah, mas você está falando de estupro" - O assédio é uma forma de estupro, ele coage, envergonha e desconforta a pessoa.

Há várias formas de elogiar uma mulher sem ofendê-la. Não pense que os seus "ô, gostosa", "delícia" e afins vão levantar alguma moral. Só se for a sua de pateta.

E se seu pênis é assim tão pimpão, bora cortar essa coisa com vida alienígena, você não precisa de algo sem controle no seu corpo.

Salvo os homens que foram bem criados por suas famílias ou aqueles que tomaram consciência do quão melhores podem ser para a sociedade, todos esses parágrafos acima funcionam bem como flechas envenenadas com o resto.

Perpetuando a ignorância
Se o leitor achava que só a criação dos homens era deturpada, devo avisar que não é um privilégio masculino.

Assim como eles, nós mulheres também aprendemos algumas idiotices, como: fingir orgasmo, dar sempre a razão aos homens, obedecer o marido, ser submissa e não andar como "vagabunda".

Seguimos essas regras e as propagamos.

Submissão, na minha opinião, deve acontecer entre sádicos e masoquistas no seu mundo BDSM com ambos de acordo. Sem acordo, nada feito.

Já foi o tempo de nos moldarmos para os padrões masculinos.
Ainda mais que o sexo deve acabar com o orgasmo do homem.

Se a mulher quer andar como "piriguete", "vagabunda" e afins o problema é exclusivamente dela, pois ninguém aqui paga suas contas. E TAMPOUCO SUA ROUPA OU COMPORTAMENTO DEVEM SERVIR DE MOTIVOS PARA VIOLÊNCIAS.

Imagine se a cada vez que uma mulher visse um homem gostoso e sem camisa na praia, o atacasse. Que mundo lindo nós viveríamos, não? Implicando, claro, que todos os homens gostosos querem ser agarrados do nada por mulheres que não fazem seu tipo ou não estão num relacionamento com eles.

Pode parecer impressionante, leitor, só que nem todo homem quer ser agarrado no meio da rua, apalpado e usado como bem entender por uma pessoa estranha e que não lhe interessa. Se existir quem queira, deve ser doente da cabeça ou estar encalhado por tempo demais, não é?

Não seria mágico se o que nossas mães nos ensinaram realmente servissem de algo? Porque se qualquer pessoa em sã consciência não quer passar por uma rua deserta e escura por medo de assalto, pensem no bônus de preocupação que a mulher tem: o estupro.

Aliás, um crime que não tem a ver apenas com prazer sexual. É uma tentativa de reafirmar poder e virilidade para uma pessoa insegura e desprezível.

Bonita, feia, magra, gorda, de burca ou pelada...
Qualquer uma serve para eles.

Mesmo aqueles ensinamentos maternos não podem nos proteger do mundo caótico e de doentes que estão soltos por aí.
Por mais que você seja recatada, por mais que você seja descolada, nada disso vai te proteger. Se o doente quiser, ele vai lá e faz com o que estiver na frente dele.

Vou ficar devendo a parte dos homossexuais e transsexuais, visto que, a única experiência que eu tenho é como mulher nascida biologicamente mulher e me identificando como mulher, e heterossexual.

Se para alguém como eu a vida já não é a mais fácil, o que dirá para uma mulher homossexual ou uma mulher transgênero? A primeira, um dos argumentos para qualquer crime é "falta de transar com um homem". A segunda vai desde "aberração" para coisas mais pesadas.

E mesmo parecendo uma história engraçada, leitor, homens também sofrem assédio e estupro. Os números são ainda mais enevoados se contarmos que majoritariamente não se fazem B.O's para relatar esses crimes, uma vez que, homem, por ser homem, não sofre esse tipo de coisa.

No mais, já falei sobre estupro em outro post.

Doeu?

Por fim...
O texto obviamente não é para agradar, é para chocar e fazer pensar.
Pus um tom mais ácido e sarcástico, porque achei que teria mais valia.

Esta é a minha opinião pessoal e eu não vou mudá-la por imposição, xingamento ou chilique. Se quiser comentar alguns pontos, fique à vontade para fazê-lo com argumentos e educação. Mamãe e papai não me ensinaram a ser delicadinha e fofa com gente que não me trata dignamente, fica a dica.

Passaram-se mais de dois anos desde o meu último texto na seção Polêmicas, sinto muito se pareço um ser grotesco e amargo atualmente, mas continuo sendo a mesma coisa: um ser humano com cérebro.

Bom, quem gostou, obrigada.
Quem não gostou... É a vida. Eu já disse que o texto não foi feito para agradar.

Até o próximo alinhamento dos planetas!

Por Kimono Vermelho (16/03/2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.