quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Diários de Uma Escritora - 24

Adivinha quem não cumpriu um dos prazos de 2013? Não, você nem precisa adivinhar, você está lendo este post no ano errado por minha causa. Que bom que nenhum de vocês é capaz de observar minha cara de desespero agora. Obrigada por isso.

Bem, mas ao invés de chorar minhas lindas pitangas de doce de leite, vou fingir que o mundo é belo e tudo está certo para trazer o retardatário dos Diários de Uma Escritora.

Deos Matoba vai me dever essa.

Diários de Uma Escritora 24 - Terapia

É sim um post de auto-ajuda, agora vá embora e pare de reclamar "ainn credo, post de auto-ajuda".


Aliás, escrever às vezes é isso mesmo, ajudar a si mesmo a passar por alguma fase, digerir uma informação ou esvaziar a cabeça e o coração de um sentimento que está o corroendo. Quando não há quem nos ouça é melhor deixar que a escrita faça esse papel.

Histórias que nascem em momentos não só de inspiração, como também de fúria, tristeza, amor, depressão, são únicos. Eles nos lembram de nossa humanidade, daqueles instantes intensos e de como alguns deles podem até se tornar boas lições de vida ou um livro incrível.

Eu tenho uma experiência engraçada para contar a vocês, foi como surgiu a minha primeira coleção de contos.
Eu estava muito irritada, já não lembro por causa do que, e me sentei bufando de ódio na frente do computador. Tenho o costume de me distrair nesses casos escrevendo coisas macabras, afinal, ninguém é preso por matar personagens em histórias, já na vida real...
O engraçado disso tudo é que o conto começou de um jeito e foi ficando de outro, se tornando um romance (mesmo que ainda assombroso). Ali havia uma ponta de delicadeza, de sedução, onde o casal transitava entre o medo e o amor.
No final da última página minha mente estava mais clara e eu mais calma.

Esse conto era para ser filho único, nascido da minha cólera e guardado como lembrança de que mesmo os piores sentimentos podem aflorar em belas histórias. Depois de alguns meses, inclusive lutando para não transformá-lo em uma série que eu jamais acabaria, segui com ele e aprendi muito.
Era uma novidade para o que eu normalmente escrevia, então se tornou um desafio. Além disso fui pegando carinho pelos personagens e quando vi eu tinha feito dez arquivos do Word contando a história do tal casal do primeiro conto. Essa coleção me ajudou a amadurecer como escritora e como pessoa.

O que quero compartilhando essa informação? Que você escritor se permita sentir o que sente e coloque toda sua sinceridade em um arquivo de texto ou em um papel. Esse é o seu momento íntimo. Unicamente seu.

Sim, a criatividade é com certeza parte essencial na criação, porém, os sentimentos do autor também conduzem a escrita como se ela fosse uma dança. Com o tempo viramos todos pés-de-valsa em nosso próprio salão de baile.

Voltando aos poucos...
Bem, estou retomando a ordem dos blogs e me recuperando de problemas de saúde que me pegaram desde o dia 1º de Janeiro. Sim, esse começo de ano não foi o mais sortudo para mim, em compensação estou descansando disso e de todo o estresse que passei em Dezembro para colocar os meus projetos no ar antes do fim do ano, agora prometendo fazê-los MUITO antecipadamente. Se Dezembro de 2014 for tranquilo, que bom, se não, estarei preparada.

Prometo tentar movimentar mais o Kimono Vermelho, afinal, ele é o meu carro-chefe!

Sim, se Deos Matoba me lembrar, vai ter o primeiro e oficial Diários de 2014. Assim eu espero!

Por Kimono Vermelho (09/12/14)

2 comentários:

  1. Saudações


    Quando se lança em um pedaço de papel, em um documento do Office ou até em aquele rascunho bem providencial para cada momento, as suas ideias que variam conforme o momento que tu vivencia ou um acontecimento do qual você toma parte, certamente você está abrindo os portões para um mundo novo.

    E este novo lugar é unicamente seu, por lhe retransmitir momentos bons e ruins, independente de usar de personagens fictícios para fazer valer os seus sentimentos mais profundos, ou então de colocar o conto em primeira pessoa e desta forma trabalhá-lo com vontade ao colocar-se como parte integrante do mesmo, vividamente...

    Esta dica sua é por demais real e bem estruturada, nobre...

    E realmente auxilia a desestressar bastante... Muito mesmo... São muitas as possibilidades nisto, o que me deixa amplamente contente.

    Este é mais um post seu que estarei indicando para algumas pessoas em específico...

    Muito bom, nobre Red Kim.^^

    [e quanto mais desafios 2014 lhe apresentar e você neles se estruturar e combater melhor será, nobre amiga]^^


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carlírio!
      Pois é. Depois que eu descobri essa "terapia" parei de chorar no travesseiro e comecei a "chorar" no computador.
      Fico feliz que você tenha gostado e que vá indicar para alguém este post. XD
      Obrigada pelo comentário! o/

      Excluir

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.