terça-feira, 9 de abril de 2013

Casamento pra quem quer casar

Eu, particularmente, não quero e não pretendo casar. Este é o meu pensamento do momento e acho difícil que ele mude por causa de uma pessoa (ou da opinião dela). De qualquer forma, eu já fui criança, já sonhei em me casar de branco na igreja, usando véu, grinalda e tendo tudo o que uma noiva deseja para esse dia tão especial.
Com o tempo você vai entendendo muitas coisas melhor e sabendo o quanto de dinheiro precisa guardar ou o quanto precisa trabalhar para poder pagar por uma cerimônia tão cara que dura apenas algumas horas e deixa memórias para o resto da vida.

O casamento e os sonhos que ele carrega
O casamento é um momento especial revestido de significados, entre eles, alguns que foram embutidos em nossas cabeças por educações arcaicas, do tipo: ficar para titia é ficar mal falada, você precisa formar uma família, você precisa ter um marido. Obrigatoriedades que atualmente não valem nada ao meu ver. Contudo, por ainda vivermos sob um regime de pensamentos e tradições empoeiradas, se uma mulher não se casa logo e forma sua família, ela é tratada como coitada. Isso acontece principalmente no interior dos estados e mais fortemente em regiões menos desenvolvidas, já que a única lei conhecida é "casar, formar família e cuidar da casa". Essa é a sina que muitas mulheres ainda são conduzidas a viver por não conhecerem e não terem sido ensinadas a cuidar do próprio nariz e se tornarem independentes.

Além disso, o casamento sem as condições citadas acima é a transformação de um conto de fadas em realidade. A mulher até pode ser independente e tudo aquilo que se admira hoje em dia, porém, algumas ainda sonham com seus "príncipes encantados", seus momentos de princesa e sua união com o grande amor de sua vida. Meu respeito por esse pensamento é maior do que pelo da comodidade de não ficar solteirona falada; titia.

Não julgo e repreendo quem julgar os sonhos dos outros. Não é porque determinada coisa não é importante para mim que eu tenho que induzir todos a também não se importarem com ela.
Cada ser humano deve correr atrás de seus sonhos, mesmo que eles sejam tão simples como um casamento.
Eu entendo esse sentimento, a alegria, a ansiedade, o novo mundo que é pensar na festa e na cerimônia (seja religiosa, formal ou mais despojada). É mágico e faz parte da educação feminina, quer queira ou não.

Como puderam perceber eu não citei a outra parte interessada: o noivo.
Os homens costumam sofrer. Normalmente são obrigados, alguns vão de livre e espontânea vontade, outros acham que estão fazendo a coisa certa mesmo que o coração ou a mente digam o contrário. Falta pulso para alguns homens.

Casar obrigado porque desvirginou a moça ou ela está grávida não vai fazer com que todos os problemas sumam e que essa relação se torne algo aprazível. Qualquer relacionamento precisa de determinadas bases para existir sinceramente. Manter qualquer coisa por falsidade é fácil, mas o preço vai sempre ficando mais salgado com o passar do tempo. É como estar pagando parcelas do começo do carnê mais grosso que você pode imaginar.
A única coisa neste caso que é determinada por lei, é que o homem assuma a paternidade da criança. Sobre a pensão, devemos lembrar que existem pais que têm a guarda dos filhos e então recebem pensão das ex-companheiras.

Aos que vão de livre e espontânea vontade, o que eu desejo de coração é que tenham uma vida feliz, sem esquecer que sempre existirá o divórcio caso o relacionamento se torne impossível.

Acho que o tipo mais divertido, e digo isso de modo sádico, é quando o noivo é obrigado (ou levemente induzido, leia por: forçado) a casar com a noiva porque eles têm X anos de namoro, noivado, o raio que o parta. Muitos indecisos que não querem desagradar ambas as famílias, resolvem aceitar entrar nesse barco sem ter a certeza de que realmente serão felizes ou se a pessoa com quem estão é realmente a certa.
É claro que tudo isso cai por terra se você quiser colecionar divórcios e inimizades posteriores.

O casamento é uma instituição ainda considerada como séria, portanto, não é algo com o qual você pode ficar brincando. Por mais que não se importe, muitas coisas estarão em jogo, entre elas: sentimentos e dinheiro. Esses são dois perigosos estopins para crimes, então é bom ter cautela e bom senso.

A parte fácil já foi, vamos para a parte difícil?
-->


Casamento entre pessoas do mesmo sexo
Ainda é um tabu e não sei por quantos anos continuará sendo.
Choca as pessoas mais preconceituosas e colocam os homossexuais como hereges que querem algo que não lhes pertence. Aí eu me pergunto: eles também não amam? Também não sonham em ter uma certidão dizendo ao mundo que seu amor é reconhecido?
Apesar de não gostar e nem de ser convidada para casamentos (porque eu não me importo com esse tipo de cerimônia), eu apoio essa união entre pessoas do mesmo sexo. Simplesmente o meu cérebro vê seres humanos que se amam. Se o homem gosta de uma mulher ou de outro homem é apenas um mero detalhe de escolha, que, desculpe os conservadores, não importa.

Minha cabeça ainda não consegue entender qual o problema nisso.
Se nós héteros temos o direito de nos unirmos com quem desejamos, qual a grande novidade para os homossexuais? Pelo que me consta, eles são tão ou mais capazes de amar do que nós e eu acharia lindo poder ver cerimônias religiosas com casais gays.

O amor não vê cor, credo, opção sexual ou até mesmo conta bancária (falo sobre o amor verdadeiro). Só acontece.
E é muito engraçado quando eu digo isso tanto aqui como fora do computador. Paga-se um preço divertido por defender o amor independente da opção sexual.
Eu não me importo em ser chamada de lésbica pelos outros, sabe por quê? Porque eu não sou e se fosse já teria assumido para jogar na cara de gente preconceituosa.
As pessoas que têm medo de serem tachadas como gays ou se irritam, provavelmente o são. E morrem de medo de serem felizes como os outros homossexuais. Quebrar tabus para ser feliz é complicado para os covardes.

Na semana passada a cantora Daniela Mercury anunciou que estava com uma "esposa". O mais hilário foi que a mídia fez com que tudo parecesse um pouco mais chocante do que deveria ser. Se ela tivesse anunciado que estava de namorado novo, as pessoas diriam "Ah, legal". Todavia, como a companheira era mulher, fez-se um mini picadeiro.

Antes disso, a cantora Joelma se envolveu em uma polêmica que, segundo sites de notícias e fofocas pela TV, tinha comparado homossexuais a usuários de drogas.
No ano passado, eu assisti uma entrevista dela e do Chimbinha para o programa De Frente com Gabi (SBT) da grande apresentadora (na minha opinião) Marília Gabriela, em que a cantora disse que ela por conta da sua religião não aceitava o relacionamento entre homossexuais, mas respeitava. E esse é o ponto que eu quero chegar.

Atualmente é politicamente correto apoiar as causas LGBTTTs... A cada ano essa sigla cresce e me deixa confusa.

Então, se a pessoa disser que não aceita ou não apoia, ela já deve ser condenada a fogueira e que de preferência morra sofrendo.

Há um adendo, queridos do politicamente chato e correto, a Joelma acrescentou um "mas eu respeito". Não entendeu? Vamos a um exemplo mais simples.
Eu gosto de vestido vermelho e me casaria com um vestido vermelho. Essa é a minha opinião. Só que você chega e me diz que não gosta, não acha de bom tom e que eu não deveria usar um vestido dessa cor em uma igreja. Aí sim você está sendo intolerante.
Agora se você fala "não acho legal, mas RESPEITO a sua decisão", quer dizer que apesar de discordar você não jogou pela janela a minha opinião. Você a recebeu, informou a sua e a respeitou.

Meus caros, o que precisamos com urgência no mundo é respeito. A aceitação tem que vir do fundo do coração e não da garganta para fora só porque está na moda e é "o certo a se fazer". É arcaico da cantora se deixar levar por religião? Depende de quem está a julgando. É melhor ser sincero do que fazer pose de santo enquanto se mostra mais podre do que o diabo.

É isso que as pessoas não conseguem ainda engolir: a diferença de pensamentos. Ninguém neste mundo é obrigado a gostar de tudo que o resto gosta, mas ao menos, é só o que todos queremos, tenha respeito pelas escolhas dos outros.

Prefiro vestido vermelho, você branco. Acabou.

Hipocrisia é se fingir de santo quando na verdade seu coração é mais nojento que um chiqueiro. Pense nisso.

Por Kimono Vermelho (09/04/2013)

Um comentário:

  1. Saudações

    Casamento...
    Embora eu deva confessar que, quando criança, eu sonhava em ser aquele pai de família e tudo o mais, atualmente não coloco isso nem em quinto grau de prioridade, Red Kim.

    Não é ruim gostar e ver o sentimento se converter em amor e, para então, chegar-se ao enlace final. Na verdade, ruim é fingir que está tudo bem quando não está, que o sentimento existe quando na verdade ele é falso e que, acima de tudo, todos os sorrisos externos não passam de mera fachada social pois, no íntimo do casal, está tudo perdido.

    Não digo que nunca ocorrerá comigo, pois sobre o amanhã a certeza me passa ligeiramente distante. Mas digo pelo agora. E se realmente houver um sentimento real, um respeito nobre e condições para que o enlace final se concretize, então que assim seja feito.

    No que tange ao homossexualismo, tenho um tio que já se casou com dois homens e, até aonde me consta, se casará muito em breve novamente. É um anseio dele, uma vontade dele e algo que por ele o faz sentir-se bem, e ninguém tem o direito de lhe tirar isto.

    Creio que o mundo anda tão metido à ser [politicamente correto], que até pequenas noções da boa educação e do respeito pessoal se converteram em pequenos grãos de areia no chão, Red Kim.

    O seu texto ficou bem sucinto e direto no ponto.

    Até mais, Red Kim.

    ResponderExcluir

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.