quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Espanando a Poeira: Colunista fuleira

Todo mundo tem alguma recordação engraçada da adolescência e eu não sou exceção.

Há uns dois ou três meses atrás, eu estava procurando um texto para tirar uma dúvida e acabei encontrando umas tais "Colunas". Funcionavam como colunas diárias de um jornal ou site, sendo que cada dia da semana tinha o seu tema.


Sim, um pouco parecido com o que eu faço aqui no blog/site (nunca vou saber como chamá-lo) com as categorias de posts, só que naquela época com o tempo livre, eu procurava escrever todo dia... Digo, todo dia quando eu me lembrava, tinha o que dizer e não estava com preguiça. É, eu já sofria desse mal na adolescência.

As colunas começaram em 2005 e terminaram em 2008 falando sobre assuntos variados, desde atores de séries famosas até maquiagem.
O que esperar de uma adolescente de 15~16 anos?

Escrever sempre foi um bom hobby e sempre me ajudou em momentos complicados. As palavras fluem e os sentimentos vão embora.

Para me organizar eu fazia uma espécie de "agenda" mostrando os dias das colunas num arquivo de texto. Quando tive acesso a um programa pobrinho de edição de fotos, eu fazia umas montagens toscas e colocava como "capa".

Não vou escrever nome por nome das colunas, porque vergonha alheia é o que eu não quero passar aqui, mas posso adiantar alguns assuntos.
Em 2005 eu falava basicamente sobre atores de Harry Potter (J.K. Rowling), a banda Nightwish, polêmicas (como fugir delas?), eu mesma (e os assuntos das outras colunas acabavam se repetindo aqui), internet, anime e uma seção especial para assuntos especiais, claro.

Os textos normalmente tinham uma ou no máximo duas páginas e terminavam assim: "Meu nome, minha idade, a série que eu estava cursando". Atualmente trocado por um singelo e prático "Por Kimono Vermelho".

Uma parte divertida dessa brincadeira era quando eu ia assistir os filmes de Harry Potter na estreia e escrevia sobre eles quando chegava em casa. Sim, era uma resenha e eu nem fazia ideia disso na época.
Eu me sentia importante escrevendo para pessoas inexistentes. Sem obrigação de agradar, desagradar... Era como brincar de boneca.

Falando em eventos (conhecidos também como "sair de casa, fazer alguma coisa e trazer pauta"), o primeiro evento, não relacionado a cinema, que eu "cobri" foi o AnimeCon 2006. Extremamente mais amador que o Kimono Vermelho no Evento das Maravilhas - Parte 1 e com menos páginas também.

Em 2005 fiz 53 "matérias" (como eu chamava os posts). Foi um bom começo.
Em 2006 o número aumentou para 72 e os temas das colunas mudaram de nome. Depois desse boom, 2007 e 2008 foram frios, porque eu não estava mais na escola, então meu tempo livre diminuiu.

Eu gostava de colocar fotos em todos os textos, seja para embelezar ou para encher linguiça (táticas de quem precisa escrever uma página em Tahoma tamanho 11 com margem menor do que um arquivo normal do Word).

Os títulos eram uma diversão à parte, assim como continuam sendo na minha vida, sejam para meus livros, capítulos, contos ou os posts daqui.
Dê uma olhada em alguns nomes...
-"De mandioca, faz-se pamonha"
-"Manda quem tem juízo, obedece quem pode"
-"Música Para Todo Tremelique"
-"De cabeça para... dentro"
-"Pipoca Assustada e Assustadora"
-"PQC,SVPReG" (Para Que Chorar, Se Você Pode Rir e Gargalhar)
-"Posto SS saído Perkele" (perkele é um xingamento em finlandês)
-"Desenhos atacam autora de colunas"
-"O Veneno da Maçã"
-"Quando todos os humanos são humanos"
-"Brisa sobre a Areia"

Eu não pretendo postar nada dessa época: primeiro, porque notícia velha não tem graça e, segundo, porque alguns eram pessoais demais.
Só quis compartilhar essa informação para saber se sou a única que inventou um jornalzinho na adolescência. *risos*

E finalmente estou retomando a ideia de 2005, atualmente amadurecida e ainda com o mesmo jeitinho de dizer/escrever/contar as coisas.
Sempre quis ter um site, no entanto, acabei deixando essa vontade de lado durante esses anos e agora por conta de um projeto tive que me meter nisso. Foi bom, está sendo divertido e será um ótimo aprendizado.

E aí: o que você fazia na sua adolescência que merece ter a poeira espanada?

Por Kimono Vermelho (20/09/2012)

4 comentários:

  1. Saudações

    Vejo que, em sua adolescência, gostavas de explorar "o todo" que ocorria ao seu redor, mas sem desvincular-se do seu "eu" mais simples da época. Acho que isso deve ter sido deveras gratificante para ti.

    Minha adolescência foi um marasmo, por assim dizer. Entretanto, rabiscava algo em minhas agendas aqui e ali, sem grande pretensão. Agora, um jornal próprio? Confesso que nunca sequer cogitei algo assim em minha vida inteira...

    Acredito que o tempo ruge e que, o quanto antes as coisas forem feitas, melhor. Se queres abraçar a causa e escrever [isso e aquilo], vai adiante. Acho justo.

    Mas estou um pouco "chocado" (não é o termo correto) com a história do jornal pessoal. Muito interessante.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito feliz com o seu comentário! Obrigada.
      Sim, um jornal próprio, mas que nunca foi publicado em nenhum lugar.
      XD "Chocado" ou surpreso? A ideia do jornal é tão "rara" assim?

      Excluir
    2. Saudações

      Podes entender o "chocado" como surpresa, acho que é mais válido e justo.^^

      Chamou a minha atenção esta ideia pois, se analisar de forma fria, basicamente o que fazias era [uma versão melhorada de um diário], mas com outras [características]. Claro, a probabilidade de minha pessoa estar incorreta aqui existe, mas a originalidade em sua ação (do jornal) é alta.


      Até mais!

      Excluir
    3. Pior que o que você escreveu faz MUITO sentido. Observando agora era realmente uma espécie melhorada de diário. Acho que foi uma forma menos "normal" de escrever um pelo menos. XD

      Excluir

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.