terça-feira, 25 de setembro de 2012

Diários de Uma Escritora - 9

Criatividade em excesso é prejudicial?
Só se você não a escoa para o papel.

Diários de Uma Escritora 9 - O que fazer quando as ideias não param de surgir?

Quando você repara, está com mais de nove tramas de livros na cabeça e tem a impressão de que se começar a se dedicar aos nove ao mesmo tempo, mais nove ideias mirabolantes virão.


A criatividade é tão inconstante quanto São Pedro e o clima. Em uma época vem uma enxurrada e em outras a seca é predominante. O que fazer?
Bote tudo no papel ou no computador. Nunca se sabe quando uma dessas inspirações poderá servir como saída para uma de suas histórias, sendo modificadas para se adequarem, é claro.

Eu tenho diversas ideias de novas tramas, só que me dedico apenas a dois projetos que chamo de "carros-chefe", ou seja, são os mais importantes e com certeza serão publicados.
O conteúdo novo sempre deve ser analisado. Por mais que pareça incrível a primeira vista, ele pode se tornar um estorvo com o tempo e não tanto interessante quanto você imaginava.

Uma trama completa de um livro é como o globo terrestre e as novas inspirações são como os países, alguns não nasceram para ser livros (o globo), somente para serem contos (peças solitárias).
Falando nisso, por que não fazer um livro de contos? Reunir os países em um mapa! Nem toda ideia precisa ser elaborada ao extremo, algumas podem ser descompromissadas, se tornando assim contos.

Para que o escritor não fique maluco com tantas ideias, é bom que comece a exercitar sua mente para que se foque em seus projetos "carros-chefe".
Uma pessoa que muito quer, no final não acaba fazendo nada, então procure ficar centrado. É claro que novas histórias surgirão, contudo, analise-as direito antes de querer transformá-las em projeto.

Depois os escritores não sabem porque não vão para frente.

Ah, essa cabeça abençoada...
As ideias podem surgir a qualquer momento e em qualquer lugar, seja passando por uma rua ou esperando na fila do banco, a criatividade é surpreendente.

Eu costumo pensar nos meus projetos durante o banho, já que não estarei com a caneta e o papel na mão (ou com o computador), escrevendo.
Imagina eu que sou mulher e passo não sei quantos produtos para deixar o cabelo maravilhoso? Uma máscara contra frizz demora de 3 a 5 minutos para agir, é um tempo "perdido". Então por que não torná-lo útil pensando nos livros?

A cabeça de um escritor raramente "para". Está sempre pensando em coisas novas, se ocupando com o que precisa fazer, torrando neurônios para saber como contornar tal situação dentro de sua história ou de sua vida.
Já tive noites importantes de insônia imaginando o desfecho de um ciclo que parecia difícil de se concluir. A trama de um livro inteiro surgiu na minha mente em uma noite insone. Não sabem o quanto é gratificante ter olheiras por causa disso.

Tenho uma mania ruim desde pequena, que é pensar em cenas e histórias antes de dormir. Algumas vezes fico deitada na cama por 2 a 3 horas levando aquela história noturna para frente. Nenhuma delas se tornou conto, mas me deram o prazer de imaginá-las acontecer. Quando noto, estou me apegando a detalhes do tipo "como é o tecido da roupa? Como é o rosto do personagem? Como é a arquitetura do local?".
É engraçado perceber também no dia posterior, que a última memória consciente que tive era discutindo comigo mesma sobre algum detalhe desses. Às vezes saio tanto do caminho original de pensamento que acabo adormecendo.
Só quando estou realmente cansada, caio na cama e durmo. De resto... Todas as noites são iguais as que acabei de contar.

Algumas dessas inspirações noturnas funcionam apenas para me entreter antes de dormir e com certeza ficariam fracas no papel, por isso, saiba diferenciar o que é apenas entretenimento próprio e o que tem real potencial para ser livro.

Acho que todo escritor deveria fazer uma coleção de contos. Pegar seus textos antigos e suas ideias novas que vivem brotando, e transformá-las em um conjunto. É interessante, útil, você não precisará explicar tudo ou amarrar a trama de forma quase perfeita, já que o seu comprometimento ali será apenas entretenimento.

Repararam?

Eu acredito que um livro com uma única e grande história é como um projeto de vida. Deve se dedicar como se dedicaria a um filho.
As mil e uma novas inspirações são como uma pessoa na balada, você se diverte, mas não é ela que comandará a sua vida.

E para facilitar a vida daqueles que não entenderam o "Repararam?" ali em cima, um esquema prático:

Projeto carro-chefe: livro com uma trama principal, algo que precisa ser bastante estudado e pensado.
Conto: trama livre onde o comprometimento não é tão severo quanto o de um livro.
Fanfic: Exemplo: a historinha noturna que crio para dormir.

Escritores devem ter em mente o que é inteligente intelectualmente e o que não é. Precisam escolher o que querem: ser reconhecidos como péssimos escritores com tramas pobres, mas que vendem seu livro como água, OU como alguém que tem noção de literatura, escreve bem e vende seus livros com CONTEÚDO relevante.
Sim, fiz um ataque direto ao livro Cinquenta Tons de Cinza/50 Tons de Cinza (E. L. James), pois acredito que ele não vale o quanto pesa.

A leitura está sendo uma tortura, no entanto, não nado para morrer na praia e assim que terminá-la, vou fazer uma resenha tão cruel quanto o que estou passando. Aguardem pelo RAGE ULTIMATE! Vai ser lindo.

E você: precisa de mais espaço no seu HD cerebral para guardar as novas ideias?

Por Kimono Vermelho (25/09/2012)

6 comentários:

  1. Eu não tenho lá TAAAANTAS ideias, e as poucas que tenho sou um imbecil e não escrevo. Devia tomar vergonha na cara e pôr no papel...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente deveria começar a colocá-las no papel. Nunca se sabe quando alguma delas vai ser útil.

      Excluir
  2. Saudações

    Ideias...

    Preciso colocar alguns rascunhos bem antigos em modo oficial de publicação. Só não sei de deverei fazê-lo agora...

    Estava pensando em colocar o nome de todos os lugares que já visitei em um mapa. Fiz isso. Agora quero lançar isto tudo em uma história, um roteiro, mas em prosa. Intimidadora, difícil e extremamente complicada esta ideia...

    Há muitas verdades neste post, jovem Kimono. Colocá-las em prática é o desafio que vi você aqui sugerir. Gostei.


    Até mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É interessante pegar os textos antigos e reformulá-los, mas como isso demanda tempo, seria legal esperar um tempo livre (a não ser que você queira publicá-los).
      É uma ótima ideia a de fazer um mapa com os lugares que você já visitou. Estude bem a ideia e se possível comece logo a botá-la em prática para não perder a vontade.
      Obrigada. :)

      Excluir
    2. Saudações

      É uma das ideias mais loucas que já tive, mas que anseio muito para botar em prática...

      Rascunhei três folhas...
      Em todas a referência maior está na razão [conhecer novos lugares]. Mistura a realidade e um pouco de sonho...

      Está ficando muito interessante, porém deverei ter certa cautela. A chance de acabar esbarrando em algo que não deveria é alta (uma referência errada/esquecida/distorcida) e isto poderá comprometer toda a ideia.

      Mas vou seguindo.

      Obrigado.^^


      Até mais!

      Excluir
    3. Das ideias mais loucas que saem as obras primas!
      Muita sorte no seu projeto!

      Excluir

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.