sábado, 25 de agosto de 2012

Diários de Uma Escritora - 8 - ESPECIAL

O que é a Bienal do Livro na vida de uma pessoa, hein?

Diários de Uma Escritora 8 ESPECIAL - Pulando etapas, mas só desta vez

O certo seria eu deixar esse tema mais para frente, só que como a Bienal do Livro me proporcionou uma oportunidade única, cá estou eu para dividi-la com vocês.
Perguntei no Twitter quais as editoras brasileiras que publicam ficção e eles me responderam: Rocco, Grupo Editorial Record, Intrínseca, Novo Conceito, iD e Sextante. Sei que existem outras, só que entre meus seguidores, essas são as mais famosas/importantes/lembradas.
Por que estou falando disso? Simples. Eu corri atrás das informações para você, escritor, que já tem seu livro pronto e quer publicá-lo.



ANTES DE TUDO: DIREITOS AUTORAIS - GARANTA OS SEUS!
O mundo é um lugar de boas e más pessoas, por isso, tenha em mente que a sua ideia pode ser o suprassumo da genialidade e que se for divulgada prematuramente, pode ser roubada.
Eu cheguei a comentar em algum Diários de Uma Escritora (não me recordo qual agora) sobre a história da filha de uma amiga da minha mãe.
A situação era a seguinte: ela trabalhava como redatora de uma rede de televisão e comentou, em uma saída com os colegas de trabalho, sobre uma ideia de programa e que iria apresentá-la ao seu superior quando estivesse pronto. Um dos colegas percebeu o quanto a ideia era boa e correu para contar ao superior, levando assim o mérito pelo programa (que foi ao ar, só não sei se continua na grade de programação).
Moral da história: não seja inocente e ingênuo.

Essa história é contada desde que eu era apenas uma criança e aprendi cedo sobre o que devo ou não revelar quando o assunto é meus projetos.
Costumo ficar extremamente preocupada quando vejo pessoas expondo suas ideias, mesmo as não tão boas, em lugares como a internet ou falando abertamente de partes primordiais de seu projeto. Não sei se é a ignorância ou o pensamento ingênuo de que ninguém vai tomar a sua ideia, só porque você comentou antes. Não seja tolo. Se o que você tem nas mãos é tão bom assim, acredite, ele será roubado mais dia ou menos dia se você não se cuidar.
"Ah, mas fulano é meu amigo, duvido que faça isso" - Cresça e fique mais esperto. Lembre-se daquele ditado popular "Amigos, amigos, negócios à parte" ou daquele outro "O seguro morreu de velho, o desconfiado ainda está vivo".
"Poxa, mas desse jeito vou ficar paranoico" - Não é ficar paranoico, é tomar cuidado. Não estou dizendo que seu amigo vai fazer o mesmo que o colega de trabalho acima fez, só que um singelo comentário dele com outras pessoas, pode causar esse tipo de problema.

"Kimono Vermelho, você é paranoica"
Antes maluca e com direitos autorais do que bobinha e ferrada. :D
Tá, parei. Vamos falar sobre como assegurar os seus direitos autorais, que nascem no ato da criação.
Existe uma lenda sobre você mandar o livro por Sedex ou carta registrada para si mesmo. Seria um artifício para provar que foi você mesmo que o criou.
Balela. É muito mais prático registrá-lo na Biblioteca Nacional (clique no nome para ser redirecionado ao site), preencher os formulários, pagar a taxa e enviar pelo correio.
O site é razoavelmente prático, mas para que você não perca tempo, vou indicar onde deve clicar:
1- Abrindo o site, haverá uma coluna à esquerda, vá até "Serviços a Profissionais".
2- Deixando a seta em cima desse título, aparecerá uma aba com vários nomes.
3- Clique em "Escritório de Direitos Autorais", que também vai abrir uma aba, e clique em "Registro e Averbação".
Lá você deve ler tudo e seguir todos os passos para poder registrar seu livro.

Aconselho lerem a parte "Documentos do EDA" (que fica na mesma aba do "Registro e Averbação"), em primeiro lugar a tabela de preços. E também "Dúvidas frequentes" (também na aba onde está o "Registro e Averbação").
Seria interessante você rubricar todas as páginas do seu livro/original. Rubrica é uma pequena assinatura.

Outra maneira de reforçar seu direito autoral é registrando seu livro no ISBN (registro internacional de livros) que agora tem site na Agência Brasileira ISBN.
ISBN é um número, na verdade, um código que serve como um RG, fazendo com que o livro seja identificado pelo título, autor, país, editora e até o individualizando por edição!
Em Crepúsculo (Stephenie Meyer), ele pode ser visto no verso da segunda folha, embaixo de "Tradução de: Twilight". Usei este livro como exemplo, pois estou o lendo para fazer uma resenha.
Vá na parte "Solicitar ISBN" que está também na coluna à esquerda ou no retângulo homônimo no corpo do site. Um detalhe interessante é que você só pode solicitar um ISBN se estiver inscrito lá como editor. Deu desespero? Relaxa. Na coluna da esquerda também há essa informação: "Cadastrar Editor" - leia atenciosamente e siga as instruções.
Lembrando que toda forma de registro autoral envolve dinheiro, então fique de olho nas tabelas de preços.
Lembrando também que na hora de registrar seu livro pela ISBN, na parte edição, coloque "edição do autor".

Se estiver em dúvida ou for inseguro, procure um advogado para te dar mais informações.

AI QUE LUXO ESSA KIMONO VERMELHO JORNALISTA NA BIENAL DO LIVRO!
Conforme expliquei ali no início do post, eu corri atrás de informações básicas para vocês que são novos autores e já garantiram os seus direitos autorais.
A primeira coisa a se fazer é pesquisar, saber qual a linha editorial de cada editora, ou seja, o que elas publicam, para não correr o risco de gastar seu tempo e dinheiro com erros.
Aqui vou falar apenas das editoras sugeridas pelos meus seguidores no Twitter, mas você não precisa se prender APENAS a elas, está bem?
Eu usei o quesito ficção que é bastante amplo, portanto, não deixe de fazer uma pesquisa mais focada no seu tipo de texto, na categoria da sua obra.


Grupo Editorial Record

Você pode acessar o site da editora aqui: Grupo Editorial Record.
No topo da página, ao lado de Cadastro e Fale Conosco, tem o Envio de Originais.
Siga as instruções escritas e boa sorte!
Achei muito interessante e louvável indicarem para o novo autor que ele faça o registro na Biblioteca Nacional de seu livro.
Facilidade para encontrar a informação: Fácil para média, porque nem sempre (com a pressa) eu olharia para o extremo topo da página, tanto que demorei um pouquinho para achar. (Costumamos nos prender ao corpo do site e as laterais primeiro)


Galera Record
É um seguimento do Grupo Editorial Record, você pode acessar o site aqui: Galera Record.
Quando você clicar, ele vai te indicar: Galera, Galerinha Record e Galera Record. Não importa em qual você clique, pois será redirecionado para a home do site.
Vá até o final da página e clique no FAQ. Nessa página, vá até a pergunta "Quero publicar meu livro pela Galera. O que devo fazer?". Siga as instruções escritas e boa sorte!
Facilidade para encontrar a informação: Média para difícil, já que não estava em local visível.
A dica que eu dou é que quando entrar no site de alguma editora e não encontrar a informação para envio de originais ou algo relacionado a "novos autores", vá até o FAQ ou o Fale Conosco.


Editora Rocco

Você pode acessar o site da editora aqui: Rocco.
Clique na parte Contato. No lado direito vai aparecer uma bolinha que estará escrito Novos Autores, clique aqui!.
Clicando nessa bolinha, uma nova janela ou guia irá se abrir em um documento formato PDF.
Siga as instruções escritas e boa sorte!
Facilidade para encontrar a informação: Média. Como não tinha FAQ, optei pelo Fale Conosco, ou neste caso, Contato.


Editora Novo Conceito

Você pode acessar o site da editora aqui: Novo Conceito.
Vá até o final do site e clique em Seja nosso autor. Curiosidade: Se você deixar o mouse sobre o nome, vai aparecer escrito "Imprensa". Pessoal do site da Novo Conceito, deem uma olhada nisso!
Siga as instruções escritas e boa sorte!
Quando você abrir essa página, o segundo quadrado à direita terá dicas para quem quiser publicar seus livros na Novo Conceito Jovem. É interessante ler, no entanto, mostra um pouco do chão duro e dos tapas na cara que os autores de livros às vezes precisam sentir. Aliás, todas as editoras querem ganhar dinheiro. Eu não tiro a razão delas, porém não concordo tanto. Bem, vamos deixar isso para um próximo Diários, certo?
Facilidade para encontrar a informação: Fácil para média. Sem Contato, Fale Conosco ou FAQ. O site foi direto.


Editora iD
Você pode acessar o site da editora aqui: iD.
No topo da página, do lado direito, clique em Fale com a gente.
Na parte "assuntos", clique na seta para baixo e escolha Envio de originais.
Siga as instruções escritas e boa sorte!
Facilidade para encontrar a informação: Difícil. Além de não ter uma área específica, você precisa escolher o assunto Envio de originais e ainda precisa mandar uma mensagem perguntando como faz para enviar seu material.

As informações a seguir foram obtidas por mim na Bienal do Livro, dia 15/08/2012, no estande das próprias editoras.


Editora Intrínseca

Você pode acessar o site da editora aqui: Intrínseca. -> Você é redirecionado ao Facebook da editora (pelo menos no meu acesso do dia de hoje)
Para entrar em contato com a editora: http://www.intrinseca.com.br/site/contato.php - É o mesmo esquema da Editora iD.
Clicando no assunto, escolha "Envio de originais/Originais para análise/Envio de manuscrito".
Só que atualmente aparece a seguinte mensagem: "A Editora Intrínseca no momento não está recebendo originais para avaliação. Agradecemos o contato e informamos que qualquer mudança nesse sentido será comunicada por meio de nosso site."

Confesso que quando procurei, não achei esse detalhe antes e por isso peguei um cartão no estande da editora na Bienal.
Falei que não tinha encontrado a informação sobre envio de originais de novos autores e uma atendente me passou o cartão de uma pessoa chamada Juliana Cirne, para que eu entrasse em contato diretamente com ela.
Não sei se agora vai adiantar muito (veja a mensagem acima sobre o não recebimento de originais), todavia, está aí...
Juliana Cirne - e-mail: julianacirne@intrinseca.com.br


Editora Sextante

Você pode acessar o site da editora aqui: Sextante.
Não há nenhuma informação sobre envio de material de novos autores, nem na parte de Contato.
No estande na Bienal, uma atendente me passou dois e-mails de contato. O primeiro é da seção de marketing: marketing@esextante.com.br
O segundo é mais direto: caroline@esextante.com.br

Algumas pessoas quando enviam seus originais, encadernam, enchem de frufrus ou vão até uma editora sobre demanda fazerem algumas edições para distribuir. Não faça isso, porque estará perdendo tempo e dinheiro. Como alguns sites das editoras acima afirmam: os originais serão destruídos, caso não sejam aceitos.
Se seu texto/história tiver saído em algum blog ou na imprensa, envie junto com o original (print screen, recorte de jornal).

Lembram que eu comentei que o primeiro dia da Bienal do Livro era só para profissionais do ramo? Acho que novos escritores que queiram falar diretamente com expositores e até mesmo levar seu material, poderiam ir nesse dia. Na 22ª Edição, foi 09 de Agosto, o primeiro dia da feira.
Outra ideia interessante é fazer um estande para vender seus livros, caso você tenha os publicado por uma editora sobre demanda, por exemplo. Só que este é um investimento razoavelmente mais caro e que precisa ser planejado com antecedência, por isso, entre em contato com os organizadores da feira para se informar.

Outras dicas para você ficar esperto...
Cuidado ao delegar sua obra a agentes literários (pessoas responsáveis por representar o autor na busca por editoras), principalmente se eles cobrarem para te representar antes de mostrarem resultados. Alguns acabam se aproveitando da ingenuidade e ansiedade dos escritores, portanto, procure referências dessa pessoa antes de qualquer acordo.

Quando for assinar um contrato com uma editora, eu sugiro que vá com um advogado, já que ele é perito em leis e em suas brechas.
Fique de olho se no contrato constar "seção permanente de direitos autorais". Não assine! Pela lei, esse prazo é de no máximo 5 anos (Título III, Capítulo V, Artigo 49, parte III - A lei está no site da Biblioteca Nacional, no Documentos do EDA - onde tem a tabela de preços -, primeiro arquivo em PDF).
Se no contrato não estiver estipulada a quantidade de exemplares por edição, o número será de 3 mil exemplares por edição (Título IV, Capítulo I, Artigo 56, parágrafo único).

Às vezes na ânsia de ver sua obra publicada, alguns autores colocam o pé na jaca com vontade.
Em Julho ou Agosto deste ano, eu estava lendo a sinopse de um livro, quando resolvi procurar por outras palavras-chaves.
Acabei encontrando um que me chamou a atenção, mas a capa parecia "crua". Custava um pouco mais de R$ 40,00 e a autora era brasileira. A obra estava com alguns trechos disponíveis para a leitura no Google Preview, então resolvi dar uma olhada, já que o título era convidativo.
Eu tive um ataque. No pior sentido possível desta palavra.
A qualidade da trama era pavorosa, fazendo com que eu retornasse aos meus 12 anos de idade, onde minhas fanfics eram tão ruins quanto aquilo que agora eu estava lendo. Parecia que a autora tinha colocado o chão de terra batida e quatro varetas segurando um teto de feno em sua "construção" (vide Diários de Uma Autora 7 para entender a citação). E isso adornado com erros grotescos de português.
Foi a primeira vez na vida que um livro me fez querer bater a cabeça na parede, figuradamente. Um editor de respeito JAMAIS teria aceitado aquilo. Era um esboço de história, um péssimo esboço.
A editora é do tipo que publica qualquer coisa, desde que você pague pelas tiragens e que ela não te repasse o valor das vendas (essa parte você só descobre depois).
Não vou publicar o nome da autora e muito menos do título, por respeito. O nome da editora deveria ser divulgado para que outras pessoas não caíssem nesse conto do vigário, contudo, não quero me envolver em polêmicas, pois tenho um histórico problemático. *assumindo o lado Rafinha Bastos da vida*
Lembre-se do que vai ler agora: por mais que você esteja desesperado para publicar sua obra, que tenha investido seu tempo e acredite que ela vale à pena, NUNCA, JAMAIS, DE FORMA ALGUMA, fique na mão de uma editora que te promete doces e confetes e que te faz PAGAR para publicar esses livros e vendê-los (eles não repassam suas obras para as livrarias, e sim, para bancas, sites e afins, com preços muito acima do mercado). Sem falar que não fazem nenhuma revisão no seu texto para corrigir a ortografia e gramática.

Valendo-me de mais um ditado popular "quando a esmola é grande, o santo desconfia". Não escolha o caminho mais fácil. Os seus autores favoritos passaram por um caminho tortuoso até chegar ao sucesso, que o diga J.K. Rowling (Harry Potter).

Recomendo também que você escute o "NerdCast #215 Profissão: Autor" (Jovem Nerd), o podcast que me baseei para falar de algumas coisas e que tem uma conversa interessante com dois escritores conhecidos e que tiveram sucesso no mercado literário brasileiro: Eduardo Spohr e Fábio Yabu.

Eu só adiantei esse assunto por causa da Bienal do Livro, já que eu gostaria que vocês me acompanhassem nessa jornada (que promete ser MUITO longa).
Espero que os novos autores tenham lido o post com atenção, sigam as dicas, pesquisem muito antes de publicar seus livros e mantenham os pés no chão. Nunca fiquem deslumbrados, visto que "nem tudo que reluz é ouro".

E aí: sou tão velha que sei mais ditados populares que vocês?

Por Kimono Vermelho (25/08/2012)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar conheça as nossas regrinhas:
-Não poste nada ofensivo, respeite os outros;
-Não brigue, aqui não é ringue de boxe;
-Não faça merchandising do seu blog com a desculpa de "ah, mas eu comentei sobre o post também".
Siga as regras e você não conhecerá o lado escroto da Kimono.